Suvinil e Histórias de Casa

Quando Rita aperta a campainha do apartamento vizinho, quem abre a porta é sua própria irmã: Lena. Sim, as irmãs se tornaram vizinhas há algum tempo, quando Lena e Fabrizio decidiram se mudar para o mesmo endereço de Rita e Nico – o querido prédio Santo Antônio, em Pinheiros. O predinho sempre chamou a atenção de ambos os casais com os detalhes charmosos de sua arquitetura, então eles sonhavam com a possibilidade de um dia viver ali. Deu tudo certo e a mudança trouxe as duas para mais perto, literalmente: hoje apenas um corredor estreito as separa. 

Mas antes disso acontecer, o apartamento de Rita e Nico passou por uma intensa reforma. O forro do teto foi retirado para que o pé-direito ficasse mais alto e a cozinha trocou de lugar com o quarto, aumentando o espaço da área comum. “Deixamos o dormitório nos fundos, onde é mais silencioso. E ainda criamos uma área externa na parte de cima”, Rita explica. Cada um desses detalhes foi pensado em conjunto com os arquitetos da Vapor Arquitetura – responsáveis pelo projeto – e a M2GA, que executou todas as transformações. A decoração veio como uma forma de adicionar ainda mais personalidade e história ao novo lar: a mesa de jantar, por exemplo, foi feita pelo amigo marceneiro Rodrigo Luz, enquanto a estante de livros foi pensada por Claudio Correa Abreu. 

apartamento prédio antigo com pé direito alto
Parede na cor Água-Doce, da Suvinil
apartamento prédio antigo com pé direito alto
apartamento prédio antigo com pé direito alto
apartamento prédio antigo com pé direito alto

Aliás, a estante é um capítulo à parte: “A ideia sempre foi ter muito espaço para os livros porque eu trabalho como editora e o Nico também já tinha uma biblioteca grande quando nos conhecemos”, Rita lembra. A quantidade de exemplares enche algumas paredes do apê e deixa clara a importância dos livros na vida do casal, mas o cuidado vai além. Como o prédio é antigo, os moradores chamaram um engenheiro para calcular se a estrutura aguentaria o peso de tanto papel. A resposta? Dá para deduzir ao olhar as prateleiras preenchidas de ponta a ponta. 

O projeto inteiro do apartamento foi muito orientado pelos livros, o que fez surgir a ideia do nicho na estante para acomodar mais pessoas na sala. Ali também ficam alguns objetos e peças trazidos por Nico. “Ele é colombiano e bastante coisa da nossa casa vem da Colômbia, como o tapete da sala e alguns artesanatos”, conta Rita. A decoração é repleta de afeto e resgata as origens de ambos: alguns móveis foram herdados da mãe da moradora, enquanto outros acompanharam o casal de uma casa para outra. 

A relação atenciosa com as plantas faz parte da rotina dos dois. Não por acaso, durante a pandemia o terraço se tornou uma das áreas mais aproveitadas do lar. Ali eles cultivam algumas espécies e também uma horta que leva mais propósito para outro ambiente que Rita e Nico amam: a cozinha. O piso rosa e os azulejos azuis desse espaço direcionaram o casal na escolha de todas as outras cores que apareceriam pela casa.  

apartamento prédio antigo com pé direito alto
apartamento prédio antigo com pé direito alto
apartamento prédio antigo com pé direito alto
apartamento prédio antigo com pé direito alto
apartamento prédio antigo com pé direito alto

A outra influência colorida veio da transformação que a Suvinil realizou na fachada do prédio com a cor Meia-Luz: “O nosso terraço dá direto para a parede de fora do apartamento da Lena e do Fabrizio, que antes ainda estava com as marcas da reforma deles. Agora, a cor mudou nossa vista!”, Rita diz. Uma pintura também aconteceu dentro do apê do casal, nas paredes da escada logo na entrada. A cor Água-Doce, bem neutra, ajuda a manter claro esse espaço que recebe pouca luz. “Quem sugeriu o tom foi o Fabrizio. E é incrível como uma mudança pequena fez tanta diferença”. 

A vida no prédio Santo Antônio é feita a partir dessa rede de colaboração e amizade, em que um vizinho pode contar com o outro. No caso da Rita e do Nico, os laços familiares são ainda mais estreitos e se misturam em uma rotina gostosa que parece ser vivida há muito tempo: “Nos mudamos um pouco antes da pandemia, então só terminamos de arrumar tudo durante a quarentena, mas passar tanto tempo em casa fez com que sentíssemos que moramos aqui há séculos. Conhecemos cada detalhe deste apartamento!”, eles falam. E na verdade, é essa percepção dos dois que torna tudo ainda mais especial. 

Texto por Natália Pinheiro | Fotos por Maura Mello