Suvinil e Histórias de Casa

A história do Fabrizio e da Lena com o prédio Santo Antônio começou muito antes do apartamento atual, para onde se mudaram em 2020. Fabrizio é ilustrador e arquiteto de formação, e em 2013 ele comprou um apê no predinho e resolveu reformá-lo. Aquela seria sua primeira empreitada na profissão, mas na época o espaço foi estruturado para uma vida de solteiro. “Eu sabia que iria morar sozinho, então tudo ali foi pensado para uma pessoa: espaços bem abertos, poucos armários… mas aconteceu que eu conheci o amor da minha vida”, ele conta. Sua declaração apaixonada é sobre Lena, comunicadora gastronômica. Após seis meses de namoro, o apartamento recém-reformado não fazia mais tanto sentido, então os dois foram morar juntos em outro endereço na Consolação.

Dessa vez, os ambientes foram pensados para duas pessoas e outra mudança não estava nos planos. O antigo apê de Fabrizio foi alugado por um amigo e a vida seguiu adiante. Porém, durante esses anos eles continuaram acompanhando de perto o prédio Santo Antônio e acabaram virando amigos dos novos moradores. Aliás, a irmã de Lena também se mudou para lá. “Eis que um dia vimos que o apartamento de cima estava à venda. Decidimos então que era nossa chance de voltar para o lugar onde fomos tão felizes no começo do namoro… e assim, na loucura, fizemos o movimento”, Fabrizio lembra. “Ficamos muito animados com a ideia de voltarmos para o prédio com uma baita vizinhança gostosa”, complementa Lena.

E a proposta de voltar para o predinho era mesmo irresistível: o novo apê tem um terraço que mais parece um quintal, ideal para passar o tempo na companhia do sol e das plantas. Outra coisa que chamou a atenção do casal foi o grande depósito e lavanderia na cobertura. O espaço era bem amplo, mas mal utilizado, então na reforma os moradores o transformaram em uma cozinha equipada e iluminada. “Como essa área de cima era grande, além de ter um canto a céu aberto, pudemos fazer uma cozinha mais confortável para eu cozinhar e trabalhar”, Lena explica. Antes, o casal vivia em um lar com cozinha americana e, apesar da praticidade, eles sentiam que o cômodo não condizia com o ritmo intenso exigido pela profissão dela.

Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho

A decoração do apê é cheia de memórias de viagens, quase como um álbum de recordações pelas paredes, e exibe também itens que contam a história do casal e de suas famílias. “É legal ir guardando alguns objetos ao longo do tempo. Você muda de apartamento, mas acaba se sentindo em casa, pois tem uma ligação afetiva com aquelas peças”, Fabrizio diz. Um dos lugares de mais afeto no apê é a biblioteca, com uma poltrona confortável só esperando pelo momento de leitura do dia. “Passamos muito tempo lendo, ouvindo música e nos curtindo. Às vezes, a gente deita no chão e fica olhando para o teto sem fazer nada”, ele brinca. E Lena, claro, se orgulha da prateleira recheada de livros de cozinha: “Eu fiz questão dela. Tenho muitos e queria colocá-los de uma maneira que eu acabasse usando e consultando mais”.

As paredes internas do apartamento são brancas para ressaltar todas essas peças que o casal adquiriu ao longo dos anos e que já são bem coloridas. Porém a área externa foi pintada com a cor Topázio Bruto, da Suvinil, para trazer aquela sensação de terra, de quintal de casa mesmo. Depois de uma viagem ao México em que o casal ficou encantado com o papel das cores na arquitetura, eles quiseram levar essa alegria para o lugar em que moram, apostando na pintura da cobertura. O toque final ficou por conta da Suvinil, que trouxe a cor Meia-Luz da fachada para dentro da casa deles também: “A luz de fim de tarde bate rosinha dentro do apê pelo reflexo das paredes de fora. Aqui é pôr-do-sol todo dia, é super legal!”, conta Fabrizio.

O espaço ao ar livre seria perfeito para receber amigos, mas ainda é necessário esperar por conta da pandemia. Nesse momento, eles aproveitam o senso de comunidade que existe no próprio prédio: “Nós demos sorte porque todo mundo é muito legal, solícito e companheiro”, diz o ilustrador.

Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Apartamento em prédio antigo parede de tijolinho
Parede na cor Topázio Bruto, da Suvinil

Agora, eles curtem a casa que ainda tem ares de nova, mas com jeito de velha conhecida: são as histórias de início de namoro no prédio, a amizade com os vizinhos e os momentos relembrados por cada objeto que tornam esse apê um lar único e acolhedor. “Nesse período de isolamento, foi muito bom nos sentirmos acolhidos em nossa casa. Ter um espaço com a nossa cara e, sobretudo, com uma área externa onde podemos tomar um sol e um ventinho… não me canso de pensar em como isso é, mais do que nunca, um privilégio!”, finaliza Lena.

Texto por Natália Pinheiro | Fotos por Maura Mello