O apartamento onde a designer e diretora de criação Fernanda vive com sua filha Luisa há pouco mais de um ano tem um clima alegre e descontraído, com o frescor das plantas e a claridade da luz natural sempre ao alcance dos olhos e da mente. Para quem visita, não é difícil perceber que a moradora é uma entusiasta de viagens com talento para decoração. Ali, garimpos de diferentes países e culturas se misturam pelas estantes e ambientes, criando cantinhos de memórias que fazem do lar um baú de momentos especiais.

Como trabalha em casa, a moradora buscou um imóvel que tivesse um quarto a mais para o home office. Com a reforma, o espaço foi aberto para que os ambientes se integrassem de maneira mais livre. No escritório, a rotina de Fernanda é bem policiada para que o dia a dia flua com todo o foco necessário: “Costumo acordar e me arrumar como se fosse trabalhar fora. Isso me ajuda a entrar no mood e entender que a hora do pijama já se foi. De vez em quando, para mudar de ares, escolho um dos cafés charmosos de Pinheiros e passo a tarde toda lá trabalhando”, ela conta.

Além de home office, esse quarto também funciona para receber visitas, já que Fernanda é carioca e tem as portas de casa sempre abertas para seus familiares. Na decoração, além da mesa e das cadeiras de trabalho, um sofá-cama é indispensável e faz dupla com o móvel de CDs, que a acompanha desde seu primeiro apartamento.

O quarto de Luisa, de 10 anos, teve as cores escolhidas por ela mesma e é seu refúgio para as leituras que tanto gosta de fazer. No novo apê, a pequena ganhou um beliche para ter espaço para amigos e primos, além de nichos e uma bancada para estudar. Já na suíte principal, o layout original foi complementado com um armário, portas de ferro e uma super bancada com gavetas.

“Minha cama tem 20 anos e é da antiga loja Velha Bahia. Ela iria permanecer comigo, então pensamos a marcenaria para combinar com ela e com o resto do apartamento. O tapete kilim de Istambul dá uma vida e o espelho veio do salão de beleza de uma amiga, que mudou para um espaço menor. A mesinha Saarinen é meu xodó e tenho ainda uma mesa de acrílico inspirada no Terence Conran, feita por uma amiga que trabalha com esse material”, diz Fernanda.


Para ela, seu apê é uma expressão de sua alma, onde ela se reconhece em cada detalhe e não deixa faltar música, plantas e amigos: “Assim como me sinto em casa no meu corpo, me sinto em casa no meu lar, que é uma extensão do que eu sou. De alguma forma coloco aqui minha personalidade e acredito que todos os cantinhos contam um pouco sobre nós”, ela fala. Com tantas memórias espalhadas pelo apartamento, realmente é fácil enxergar Fernanda e Luisa em cada uma delas.

Fotos por Felco