O valor da simplicidade | Capítulo 2

Decoração feita com sentimento, cores e memórias em uma casa deliciosa

Sabe aquelas casas em que a decoração parece ter surgido da forma mais espontânea possível? Assim é o lar da artista e designer de estampas Clarisse, que descobriu uma verdadeira pérola na Lapa: uma casinha charmosa, com espaços amplos e acabamentos rústicos lembrando as construções do interior. Tem cimento queimado, tem ladrilhos hidráulicos, tem janelas com venezianas brancas e porta colorida… uma combinação pra lá de acolhedora, ainda mais se levarmos em conta os móveis antigos e os objetos queridos da moradora. “Estou sempre mudando as coisas de lugar, conforme as necessidades ou meu estado de espírito. Os vasos são os que mais transitam pelos ambientes, e a cada semana testo uma planta em um novo local”, ela conta.

A cozinha de Clarisse não é muito grande, mas também tem suas surpresas. Segundo ela, o espaço é uma extensão da sala, com plantas, quadros e até trechos de papel de parede na geladeira. A pintura rosa foi uma invenção da artista, que queria fazer uma referência às casas nordestinas. “Tenho uma paixão pelas paredes caiadas do sertão, e o rosa é uma cor presente por lá. Não ficou exatamente como eu gostaria porque fui aconselhada a não usar cal em ambiente interno, muito menos na cozinha, mas devia ter sido mais cabeça-dura”, diz. A janela de ferro sobre a pia é um dos detalhes que Clarisse mais gosta na casa, e ela brinca que a luz da manhã é tão linda que até dá vontade de ficar horas lavando a louça.

O quarto é um verdadeiro ninho, um lugar onde o aconchego físico e o emocional têm o mesmo valor, e a decoração é um reflexo disso, portanto repleta de afetos. A estante suspensa ao lado da cama, por exemplo, foi criada por Clarisse com a ajuda do faz-tudo da vila e serve de apoio para livros e memórias. “Afetivamente falando, cada detalhe do quarto é bem especial, mas eu amo o lambe-lambe sobre a cama, com a foto do Gui, um amigo querido. Recriei meu horizonte preferido e através dele passo um bom tempo da vida observando o mar”, ela fala.

O ateliê oficial de Clarisse é em outro endereço, mas ela instalou um segundo espaço de criação no mezanino da casa, que fica sobre a área da cozinha e conecta-se tanto com a sala quanto com o quarto. O que ela mais queria era sentar na mesa de trabalho olhando para o jardim, então a disposição dos móveis girou em torno disso. A moradora trabalha com estamparia há quase 10 anos e encara essa arte como uma alternativa de linguagem, algo que a leva constantemente a novos lugares, encontros, vivências e entendimentos.

“Foi o caminho que encontrei para dar continuidade a uma pesquisa autoral, sendo o Veredas Atelier meu laboratório experimental onde crio com total liberdade. Paralelamente, mas com a mesma preocupação linguística, desenvolvo estampas para designers e marcas do setor da moda e decoração. O legal é que a estamparia pode ser explorada em infinitos suportes: ladrilhos hidráulicos; tecidos para decoração; roupas… a estampa precisa ser usada pelo outro para se tornar viva, e isso me encanta. Ninguém escolhe forrar um piso inteiro ou um sofá com um desenho que não lhe faça sentido e, apesar da estampa passar a ter novos significados quando usada pelo outro, ela também carrega consigo uma história própria – e é aí que entra minha pesquisa sobre a estamparia como possibilidade de comunicação”, Clarisse explica.

Ao lembrar da casa em que passou a infância, Clarisse consegue enxergar algumas referências similares em seu novo lar, sendo que boa parte dessa linguagem própria foi inspirada por seu pai.  “Ele é artista plástico, acumulador, maravilhosamente louco sem juízo. E minha mãe é alemã, com um estilo menos é mais, e critérios absolutamente funcionais: era casa engraçada com decoração peculiar. Certamente puxei de meu pai o vício por plantas, ferros-velhos, sebos, antiquários e tranqueiras. Não posso ver uma caçamba cheia que meu coração já bate forte”.

Fotos por Isadora Fabian, do Registro de Dia a Dia

Onde Encontrar

Peças Inspiradas nessa História

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


COMENTÁRIOS # 9

  1. quero morar aí ♥!
    tem uma casinha nessa vila!

    Responder
  2. Que casa mais linda, apaixonada por cada detalhe

    Responder
  3. Das casas mais bonitas que vcs já publicaram. O título diz tudo, simplicidade de uma riqueza sem igual. Parabéns.

    Responder
    • Também ficamos muito contentes e emocionadas com essa casa. É um sopro de inspiração das mais belas!

      Responder
    • Que riqueza, a simplicidade também é rica , lindo … eu quero um casinha assim rsrsrs….

      Responder
  4. Taí, se todos devemos ter um ideal para perseguir, o meu definitivamente é o de viver uma vida mais simples. E mesmo não sendo possível seguir esse romantismo a risca, as imagens do post me inspiram a continuar desejando. 😉

    Responder
  5. Essa casa tocou meu coração!

    Responder
  6. Que casa mais linda!!!
    Certamente uma das mais lindas que já vi no blog!!!!
    Amei cada detalhe!!!

    Responder

NOS VEMOS NO INSTAGRAM
@historiasdecasa