Uma casa e todas as memórias que ela guarda não podem ser resumidas de uma vez só, então por aqui fazemos diferente. Ao invés de concentrar todos os detalhes e fotos em uma única matéria, criamos pequenos capítulos para que você possa curtir essa visita durante vários dias. É só acompanhar a ordem pelo título dos posts e apreciar o passeio sem se preocupar com o relógio. 

Já faz dez anos que a estilista Ana, da Cru Ateliê, vive em um apartamento colorido e recheado de referências interessantes. Nesse meio tempo, muita coisa mudou na casa – a começar pelos próprios moradores. De início, Ana dividia o apê com suas duas irmãs e a configuração dos ambientes era bem diferente, até que uma reforma transformou por completo os espaços. Hoje a decoração é um encontro de inspirações que traduzem o estilo pessoal da moradora: “A paixão pelas viagens, pelo étnico e pelo Brasil são muito verdadeiras para mim e acredito que se refletem na casa”, ela diz.

Quem entra no apartamento logo se surpreende com a grande janela indo de ponta a ponta da sala. A luminosidade farta que encanta Ana desde a primeira vez em que esteve no endereço também ajuda a destacar o colorido do mobiliário. Rosa, amarelo, vermelho… tons fortes tomam conta das peças embutidas concebidas pelo arquiteto André Vainer, responsável pelo projeto. “Ele nos apresentou a Baraúna e desenhou toda a marcenaria, um dos meus xodós”, ela conta. Ana e suas irmãs queriam uma casa com cor e cara brasileira, mas que ao mesmo tempo tivesse móveis que pudessem abrigar muitos objetos trazidos de viagem.

Além das referências ao Brasil e das peças e estampas vindas da Ásia, outra cultura que inspirou a decoração do apartamento foi a mexicana. “Na época da reforma, eu e minha irmã tínhamos acabado de chegar do México, muito influenciadas pelas cores e decoração das construções que vimos lá, então esse foi o ponto de partida. Visitamos a casa do escultor americano Robert Brady em Cuernavaca e nos apaixonamos pela atmosfera descontraída, as cores e a profusão de objetos que, juntos, faziam sentido”, Ana lembra. Sem medo de fazer composições inusitadas, as irmãs aderiram à ideia de que ‘mais é mais’.

Apesar disso, o apê também tem espaços vazios e muito branco trazendo respiro. A área da mesa de jantar, por exemplo, tem poucos elementos, pois assim o destaque vai para o que mais importa: os desenhos emoldurados que os pais da moradora ganharam de amigos artistas. Na parede oposta, a cor vem do buffet e do painel de azulejos estampados da marca Lurca. As plantas, uma paixão que a estilista descobriu quando passou a morar sozinha, pontuam a sala aqui e ali, trazendo ainda mais vida ao apartamento.

Amplitude, luz e cor. Essa tríade define a arquitetura inspiradora do apartamento de Ana. Quanto à decoração, o que traz o clima acolhedor e pessoal são as peças garimpadas por ela e por suas irmãs nos quatro cantos do mundo, de móveis do design nacional a esculturas trazidas da China ou tecidos encontrados no Myanmar. Tudo isso misturado com leveza e estilo. * Que tal ver os outros ambientes do apê? Confira tudo no Capítulo 2 clicando no ‘Continua’ abaixo.

Fotos por Rafaela Paoli, do Estúdio Pulpo

CONTINUA