A possibilidade de decorar e criar dentro do próprio apartamento é o que Márcio e Renan consideram como a parte mais gostosa do lar. Cada dia que eles passam em seu apê, descobrem um novo canto para aproveitar e investir na decoração. “Juntos, criamos um espaço mútuo. O fato de termos gostos parecidos ajuda, nós convivemos bem com os movimentos um do outro”, conta Márcio.  A localização da cobertura em São Paulo foi um dos pontos de comum acordo: os dois adoram a vivacidade do centro e tudo que acontece por lá, como o Carnaval e a Virada Cultural.  “O centro é vivo, tem sempre algo rolando. E o bairro tem se transformado com padarias, restaurantes e livrarias”.

Mas da rua até o topo do edifício na República, essa agitação se dissipa. Se o terraço social ligado à cozinha tem como protagonistas as cores quentes, o quarto do casal é envolvido pelo verde, branco e roxo. Além de acalmar a visão, o cômodo é uma fonte de relaxamento para os dois e basta dar alguns passos até chegar na segunda varanda do apartamento, mais reservada.

“Criamos um ambiente aconchegante, quase a ideia de um spa, com ofurô e projeção de filmes no prédio ao lado”, explica Márcio. Ele sempre gostou de imagens com um pouco de ruído, diferentes daquelas transmitidas com nitidez impecável nas televisões atuais. No momento em que os arquitetos do projeto propuseram fazer o giro na planta do apartamento, o quarto ficou na posição ideal para uma projeção na empena – que é aquela face lateral sem janelas que alguns edifícios possuem, muito utilizadas hoje em dia para construir jardins verticais ou grafites urbanos. O lugar virou praticamente um cinema, com sistema de som 5.1 e a possibilidade de assistir aos filmes em qualquer canto, seja no ofurô da varanda ou na cama dentro do quarto.

Na área da sala, uma estante de livros até o teto deixa qualquer pessoa admirada. A ideia de Renan, dono da maioria dos exemplares, era ter um móvel com a cara de uma biblioteca clássica e um cantinho para a leitura acoplado. O plano foi um sucesso e a peça se tornou uma das partes que mais chamam a atenção no apê. O desenho da marcenaria ainda acompanha uma escada que desliza de ponta a ponta, realmente como se usam em bibliotecas. E tem mais um detalhe: “A área atrás da estante maior, onde fica a caixa d’água do prédio, se transformou em uma sala de leitura”.

A maioria dos móveis foi trazida do apartamento anterior onde Márcio e Renan moravam. A estética mais natural e aconchegante que as peças e elementos em madeira proporcionam é o ponto forte na decoração, tanto que um dos detalhes que chamou a atenção do casal, assim que visitaram o apê pela primeira vez, foi a possibilidade de deixar à mostra a tesoura do telhado, que serve como suporte para a iluminação da ilha planejada na cozinha.

As personalidades dos moradores aparecem por todos os cantos, seja na escolha das cores, dos móveis ou na maneira como eles ocupam o ambiente. E com bastante espaço por todo o apê, foi possível levar um pouco do clima de casa com quintal para a cobertura do prédio. Porém, a sensação de “tudo pronto” muda ao longo do tempo, já que o casal sempre adiciona novos itens ou repensa como morar no apartamento: “Agora, por exemplo, estão chegando o sofá-cama da parte destinada aos hóspedes e o futon que compramos para o futuro sofá que faz parte do móvel da estante de livros”. É uma casa viva, em constante evolução.

Texto por Natália Pinheiro | Fotos por Maura Mello