Decorar nosso lar com flores é algo simples, mas que traz uma leveza ao dia a dia. São pequenas práticas como essa que ajudam a deixar o clima mais gostoso em casa, por isso hoje queremos falar um pouquinho sobre esse tema. Porém, o assunto da vez não são os buquês convencionais, e sim os arranjos feitos com flores secas – eternizando assim sua beleza. E para explicar direitinho como funciona o processo de secagem de espécies e como podemos combiná-las para montar arranjos incríveis, nós convidamos a Ana Attab, florista e criadora do Varanda Flores, para compartilhar suas dicas preciosas por aqui.

Como o nome já diz, a Varanda nasceu em um espaço bastante especial na antiga casa da Ana, que ficava no bairro do Jardim Botânico, no Rio de Janeiro: uma varanda com vista para o Cristo Redentor onde a moradora se inspirava e criava seus primeiros arranjos cheios de cores. Dali, as flores eram entregues pela cidade em cima de uma bicicleta.

Algum tempo depois, quando Ana se mudou para São Paulo, o projeto continuou, mas com algumas adaptações. Atualmente ela ainda realiza entregas de flores por assinatura, porém agora seu foco maior são os eventos e casamentos que ela tanto ama fazer. “Eu adoro me aproximar de cada casal, conhecer os seus jeitos, sonhos, vontades e histórias. E é exatamente o resultado dessa aproximação que transmitimos no dia da festa por meio das flores!”, ela conta.

A poesia das flores secas

Nós da Varanda acreditamos na importância da beleza – e a beleza encontra nas flores uma de suas formas mais sutis e verdadeiras. É nesse intervalo, entre o desabrochar e o secar, que normalmente contemplamos com nossos olhos toda a perfeição da natureza. Mas existe ainda uma outra forma de adorá-las além do seu frescor: focando na passagem do tempo, que age e transforma a flor. Respeitando e observando as mudanças das flores e seus ciclos naturais, nós selecionamos algumas dicas para que você possa eternizá-las em arranjos e buquês secos. Conheça abaixo alguns dos processos de secagem que recomendamos:

Secagem ao tempo

Esse é o processo de secagem mais antigo e tradicional que existe. Nele, as flores mantêm seu formato original. Veja as etapas:

  • Realize a limpeza das flores tirando o excesso de folhas (quanto menos área foliar, mais rápida a secagem)
  • Separe pequenos chumaços e amarre-os fazendo mini buquês
  • Pendure-os de cabeça para baixo em local ventilado, fechado e de preferência escuro

Para impermeabilizar essas flores depois de secas, usamos verniz spray fosco ou então laquê sem álcool. E vale uma atenção especial na conservação do arranjo: a exposição à luz do sol altera a cor das folhagens e flores, então a não ser que seja proposital, deixe-as longe de pontos iluminados. Porém, caso queira assumir essa ação do sol, para por exemplo dar aquele efeito rosado e pastel às folhas de eucalipto, é só deixá-las expostas à luz natural.

Secagem no micro-ondas

Caso tenha pressa e queira um processo mais rapidinho, você também consegue secar as flores mantendo seu formato tridimensional da seguinte maneira:

  • A dica é colocar as flores no micro-ondas aos poucos apoiadas em um papel-toalha. Deixe por 10 segundos, retire-as e observe. Depois deixe por mais 10 segundos e vá esquentando conforme a necessidade, sempre em potência baixa. * Muito cuidado para não deixar tempo demais e a secagem passar do ponto, queimando ou até torrando as flores.

Secagem com sílica em gel ou areia fina

Essa técnica mantém bastante o formato e a cor original das flores. E é bem simples:

  • Deixe as flores cobertas por inteiro com o material escolhido (sílica em gel, areia fina ou até mesmo sílica para gatos) em uma caixa plástica ou vidro, sempre com tampa. É importante posicionar bem a flor dentro da caixa, pois este será o seu formato final. A flor deve ficar em média 3 dias dentro no recipiente. Ao final, retire as flores do recipiente com muito cuidado e delicadeza, e pronto!

Secagem no meio de livros

Esses três acima são métodos de secagem em 3D, mas também existem os formatos 2D que a maioria de vocês já conhece, que é a clássica secagem de flores no meio de livros. Essa técnica ainda é muito usada e funciona como uma prensa, deixando as flores “amassadinhas” e perfeitas para serem enquadradas ou até mesmo aplicadas na decoupage de objetos para decoração. Enfim, deixe a criatividade fluir e saia por aí ornamentando com flores e usando todas as suas possibilidades.

Outras dicas para montar arranjos secos lindos:

Como saber qual é o momento certo de fazer o processo de secagem da flor?

Ana: É importante que o processo de secagem seja iniciado antes que as flores comecem a perder as suas folhas e pétalas. Quando o processo é iniciado com as flores ainda frescas e mais cheias, elas preservam melhor a sua beleza. Não se deve esperar muito tempo, pois estas ficarão “passadas”, mais murchas, e este é o aspecto que preservarão, ficando assim velhas para uma bela secagem.

Que espécies de flores e folhagens você sugere para os arranjos secos? Quais ficam mais bonitas nessa versão?

Ana: A folhagem-sensação e preferida de todos é o eucalipto, que muitas vezes seca sozinho, ainda mesmo no vaso, e retém um perfume delicioso. Algumas outras espécies como: hortênsias; proteas; rosas; craspédias; dedo-de-anjo; sempre-viva; junco; sorgo; cáspias; magnólia; trigo; celosias e muitas outras, são flores que passam por um ótimo processo de secagem. Mas uma etapa gostosa é justamente você observar o processo de cada flor e deixar se envolver, descobrindo sempre novas possibilidades e espécies.

O que fica bonito numa composição? Tem alguma dica de como montar?

Ana: Muitas flores ou folhagens ficam bem sozinhas em um vaso, como o próprio eucalipto, cáspias ou os capins. Mas outras também ficam lindas quando combinadas com texturas e tons diferentes. Eu adoro usar as folhagens de base com alguma flor que traga leveza (cáspia, capim, rabo-de-raposa), junto à outra flor de formato mais arredondado para assentar e trazer conforto ao arranjo, como rosas e hortênsias.

Fotos por Francine Nagata para Varanda