O apê da corretora Kitty é uma surpresa boa, dessas que nos fazem lembrar a beleza da simplicidade. Com um clima zen, espontâneo e aconchegante, o imóvel fica em Pinheiros, em um dos prédios antigos e charmosos da região. Mesmo antes de se mudar para lá, a moradora já vivia no bairro, em um apartamento que adorava, mas do qual precisou sair às pressas por conta de problemas estruturais no subsolo. Após um período de muita procura, Kitty fez um desabafo na internet e foi justamente aí que a história começou a mudar: uma de suas clientes viu a postagem e a indicou um apê que parecia ter sido feito especialmente pra ela. “Eu queria ambientes amplos, pé-direito alto e janelões. Se fosse em um prédio antiguinho e baixinho então, seria perfeito! E não é que veio tudo o que eu sonhei e mais um pouco?”, ela brinca.

Os móveis do endereço antigo a acompanharam e, com o tempo, alguns deles foram substituídos, como a mesa e as cadeiras de jantar. Na sala, pufes foram posicionados perto do sofá e é ali que Kitty e seus amigos gostam de ficar quando estão juntos: ao redor da mesa de centro, que além de ser um xodó da moradora, também guarda sua coleção de caixinhas repletas de significados. “Muitas caixinhas são de viagens e lugares especiais que conheci, e outras são presentes de pessoas queridas que sabem dessa minha paixão. Teve uma amiga que até fez uma caixa de mosaico pra mim”, ela conta. 

Na verdade, o que não faltam em seus pertences são histórias interessantes. “Eu sou uma canceriana nata! Amo casas e adoro tudo o que me traga lembranças de momentos felizes da minha vida. Então cada objeto aqui tem memória”, Kitty ressalta. As redes, por exemplo, remetem à cultura nordestina herdada de sua avó paterna, que era cearense. Já o pôster com a árvore genealógica do jazz foi trazido por seus pais de New Orleans, após a corretora se encantar por um igual que observou na casa de um cliente tempos atrás.

Como seu apartamento é térreo, Kitty diz que se sente mais segura e equilibrada – com os pés no chão. Além disso, o layout da casa segue princípios do Feng Shui, então a mesa de trabalho, por exemplo, já trocou de posição algumas vezes. “Antes eu ficava de costas para a janela porque achava que me distrairia com o movimento da rua ou que a luz fosse me atrapalhar, mas a Patrícia Ungarelli, minha astróloga querida há muitos anos, sugeriu que eu a deixasse de frente para a janela para ter mais horizonte. Meses depois, a Zora, uma amiga bruxinha que trabalha com medicina energética, também aconselhou que minha mesa não ficasse mais no centro da casa porque é um lugar muito forte e intenso energeticamente. Foi uma mudança ótima, senti que fiquei mais focada e inteira quando sento para trabalhar”, conta Kitty, que administra sua imobiliária fazendo home office.

Com muitos cristais espalhados, mantras e incensos naturais, a energia positiva é garantida em todo o apê, mas Kitty confessa ter um cantinho especial: a rede da sala de estar, onde relaxa e se recompõe. “Fico balançando bem devagarinho, sentindo a brisa que entra pela janela”. Nesse clima despojado, nem dá vontade de sair de casa! * Quer continuar esse passeio pelo apartamento? Então veja também o Capítulo 2.

Fotos por Leila Viegas

CONTINUA