Era pra ser | Capítulo 2

Um apartamento inspirador que marca o início de uma linda história

Por ser arquiteto e consultor imobiliário, Gabriel sempre amou imóveis antigos. Douglas, por outro lado, não entendia muito do assunto e só depois aprendeu a valorizar os prédios com história. Por sorte – e aquela ajudinha do destino que contamos no Capítulo 1 – eles conseguiram alugar um apartamento em um pedaço disputado do bairro de Pinheiros, nos famosos ‘predinhos da Hípica’. “Esse conjunto de edifícios esbanja charme. Eles são tombados, então têm a fachada preservada, assim como uma série de outros detalhes, como toda a caixilharia e o granilite das escadas. Não tem ninguém que entre aqui e não se entregue à beleza da construção”, Gabriel fala.

No que diz respeito ao apartamento em si, a reforma realizada pelos proprietários e amigos do casal deu outra vida aos espaços. Como a construção é dos anos 50, os ambientes antigamente eram compartimentados, mas agora são bem integrados – até mesmo o banheiro tem a área da cuba aberta para a sala, por exemplo. O mais bacana da reforma é que, apesar de tantas mudanças, foi possível preservar alguns elementos originais, como o ladrilho vermelho da cozinha, os tacos de peroba rosa restaurados e as portas com maçanetas charmosas. Já o concreto e o tijolo aparente deixaram à vista o sistema construtivo da época, o que também valoriza o contexto histórico da arquitetura.

Gabriel acredita que até determinado momento da história, fatores básicos como ventilação e iluminação eram levados de fato da prancheta para o canteiro de obra. “Você ter um pé-direito de 3 metros, por exemplo, contribui não só para a sensação de amplitude, mas no conforto térmico do ambiente. Parece bobagem, mas o ar quente é mais leve, ou seja, não tem como comparar com um imóvel que tem o pé-direito de 2.40 que vemos nos dias de hoje. Outro exemplo são as janelas com persianas que se recolhem totalmente, aproveitando 100% do vão para entrada de luz, ou janelas com a bandeira basculante que permitem ter circulação de ar mesmo em dias de chuva. São pequenos detalhes que foram limados ao longo do tempo”, ele explica.

A entrada da casa acontece pela cozinha, e não poderia haver ambiente melhor para receber as visitas. Desde que conheceram o apê, Gabriel e Douglas gostaram do cômodo de imediato, então fizeram poucas mudanças. Eles trocaram a luz branca por um pendente de globo e trabalharam a decoração em cima da base que já era ótima. “Nosso xodó é o fogão Brastemp de 1975 colorido, em conjunto com as cadeiras que vieram do apartamento do Douglas. É um espaço de bastante cor que contrapõe com a sala”, Gabriel diz.

Quem sempre faz companhia para o casal são os gatinhos: um era de Douglas e o outro de Gabriel, mas eles contam que os dois logo fizeram amizade porque conviviam desde cedo, mesmo quando ainda não moravam juntos. Piriquito tem em torno de 6 anos e é mais reservado, só mia por comida – afinal, são 12 quilos de gato. Nestor, resgatado da rua com 30 dias de idade, é carinhoso e vive pedindo chamego.

Já que o apartamento tem dois dormitórios e um closet, inicialmente o casal havia pensado em manter quartos separados para preservar a individualidade de cada um. “Acontece que, com o passar do tempo, nos demos conta de que não dormimos sequer uma noite separados e que estávamos apertados em um espaço enquanto os outros dois estavam subutilizados. Em uma noite na varanda, com uma garrafa de vinho na mesa e outra na cabeça, o Gabriel fez dois ou três rabiscos e assim decidimos dividir os ambientes da seguinte forma: um passaria a ser o quarto do casal, apenas com a cama, enquanto outro seria o closet em comum”, eles lembram. O dormitório restante se transformou em um escritório e também um lugar para acomodar os hóspedes. “Brincamos que é o quarto oficial do nosso amigo Paulo, que mora em Campinas, porque ele chega aqui em casa de sexta-feira e só vai embora no domingo”, falam.

Com estilos que a princípio eram tão distintos, Gabriel e Douglas parecem ter encontrado o equilíbrio perfeito entre a vida em conjunto e as particularidades de cada um. Segundo eles, o segredo está em respeitar as vontades e gostos do outro, mas sem anular os seus próprios – e foi assim que nasceu a decoração. Ainda que eles não concordem em tudo, ambos cedem aqui ou ali para que a casa e a vida sejam cada vez mais leves. “É aqui que recebemos nossos amigos, nossos familiares, damos jantares e festas. Mas é aqui também que nutrimos a nossa relação a dois, nosso amor e respeito um pelo outro”. 

Fotos por Leila Viegas

ONDE ENCONTRAR

PEÇAS INSPIRADAS NESSA HISTÓRIA

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


COMENTÁRIOS # 12

  1. Olá,
    Tudo lindo, parabéns. Gostaria de saber a cor e marca da tinta vermelha do quarto, por favor.
    Obrigada,
    Érika

    Responder
    • Oi Érika, tudo bom?
      Até agora a gente não conseguiu descobrir qual é essa tinta. 🙁
      Os moradores não se lembram qual usaram.

      Responder
  2. Olha, a casa é linda, tudo lindo. Só senti tudo tão milimetricamente colocado no lugar nas fotos que achei que perdeu um pouco da essência da proposta do ‘historias de casa’, que é justamente mostrar uma casa real, na sua baguncinha, na sujeirinha que acumula e deixa aquela manchinha, no acabamento tosquinho daquele trechinho que vc mesmo pintou, na desorganização organizada da vida. Sabe? Só deixo esse comentário pra que vocÊs nunca pensem em deixar isso de lado, porque é garantia de corações agraciados.
    Beijos de amor

    Responder
    • Oi Paula, tudo bom?
      Esse apê é demais, né? Sério que te passou essa impressão? A casa dos meninos é bem organizada, então acho que talvez seja por isso. No dia das fotos a gente faz o mínimo de intervenções possível, só buscamos esconder fios de TV, controle remoto, detergente na pia, esses detalhes, mas de resto registramos as casas como são mesmo. 🙂
      De qualquer forma, obrigada pelo carinho! Beijos

      Responder
  3. Olá! Qual é o nome da cor da tinta vermelha da parede do quarto, por favor?

    Responder
    • Oi Isis, tudo bom?
      Os moradores ficaram de passar o nome da tinta, mas no momento estão em quarentena no interior. Quem sabe mais pra frente a gente consegue pegar com eles e te falamos por aqui. Bjs

      Responder
  4. Olá
    Qual é o nome da cor da tinta rosa da parede do quarto, por favor?

    Responder
  5. Encantador!
    Apaixonada pelo fogão!!!

    Responder
  6. Adorei… linda demais..

    Responder