Quem conhece o trabalho de Guta como fashion designer, sabe que estilo é uma característica que não falta em sua vida – e em seu novo lar não poderia ser diferente. Guta domina como ninguém a arte de se expressar por meio de acessórios e cores, com um olhar sempre atento para criar combinações com referências inusitadas. Não à toa, seu apê, em Pinheiros, exala personalidade e boas ideias. 

O imóvel alugado chamou a atenção de Guta pela iluminação, pelo recuo do prédio em relação à rua e pela presença constante do sol que proporciona momentos de relaxamento na sacada. Como seu antigo endereço era uma casa ampla, com jardim e muitos pertences, migrar para um espaço menor era uma de suas vontades, junto com a proposta de desapegar de diversas coisas. “No fim, eu achei todo esse processo libertador: ver que você é você pelo que se é, e não pelo que se tem”, ela conta. Nessa trajetória, vários itens foram aproveitados, mas como o novo apartamento não comportava tudo – e nem era esse o propósito – muitas roupas e até mesmo um sofá foram doados.

No apê atual, Guta pôde começar direto com a decoração, já que tudo estava conservado e o lugar não precisava de nenhuma reforma. Ainda assim, nem mesmo a disposição dos cômodos se manteve como era antes: no novo layout ela quis dar menos destaque ao canto da TV, priorizando o convívio. Por isso, a mesa de jantar foi para o centro da casa, deixando o sofá na área aconchegante que anteriormente era reservada às refeições. Essa virada no modo de distribuir as funções dentro do apartamento também diz muito sobre a moradora, que busca viver livre de regras.

Com quase todos os móveis vindos do antigo endereço, a fashion designer apenas precisou comprar um sofá menor e a mesa de jantar, que foi um tesouro encontrado em um ferro-velho: “Acho que a mesa de granilite rosa é o item da casa que mais merece atenção. Comprei ela antes mesmo de saber onde eu iria morar, pintei e mandei fazer o tampo”, ela explica. E como garimpar é uma das paixões de Guta, que mistura a esse dom sua veia de moda com a de tendências, seu estilo não demorou para contagiar todo o apê, mesmo em pouco tempo.


Para Guta, ter um apê pequeno também otimizou o tempo que precisa passar organizando suas coisas, já que gosta de manter tudo em ordem – tanto para curtir sozinha quanto para receber os amigos, sempre com música, cerveja e vinho. Também não podem faltar incensos para repor as energias da casa de tempos em tempos: “Quando cheguei aqui fiz um grande ritual. Até para me sentir em meu lar, já que estava numa fase de transição, mas costumo fazer banhos e acender incensos e velas toda semana”, ela diz.

Com referências que vão do étnico ao industrial, texturas de sobra e muito conforto, a moradora acredita que sua decoração acaba refletindo um clima boho, sempre com peças que trazem histórias e memórias afetivas. Tudo o que ela tem hoje, inclusive os objetos, fazem parte de sua essência ou de alguma recordação, por isso estão ali mesmo após a filtragem de excessos durante a troca de endereços. Em seu apê, Guta tem o que realmente importa para se expressar e se sentir acolhida. Por tudo isso, ela não hesita em dizer que sua casa é uma tradução de quem ela é.

Texto por Yasmin Toledo | Fotos por Ricardo Faiani