A casa da artista Clarisse é um espaço onde a vida pulsa. As plantas crescem dia após dia, espalhando seus ramos pelo jardim ou subindo pelas paredes; os ouvidos são sempre agraciados com música das boas; as cores e quadros enchem os olhos de quem chega; os objetos artesanais trazem brasilidade e lembranças de lugares que a moradora amou… Assim, sem seguir padrões, a artista transformou um imóvel alugado que já era interessante em um lar dos mais bacanas, com tudo o que ela precisa e aconchego de sobra. Encontrar uma casinha com arquitetura parecida pode ser raro, mas quem disse que não dá para se inspirar nessa história e descobrir muitas ideias boas? Veja algumas delas a seguir:

1. Ressignificar objetos: Uma das coisas que Clarisse mais gosta de fazer é garimpar ou reaproveitar peças. Com um pouco de criatividade, itens antigos assumem novas funções e assim prolongam sua vida útil. Filtros de cerâmica, por exemplo, foram transformados pela moradora em cachepôs inusitados para plantas.

2. Muitas cores nos acessórios: Se repararmos bem, todos os móveis maiores da casa são neutros. O sofá é cinza, os armários são de madeira, assim como bancos e banquetas, mas a decoração consegue ser bastante alegre e colorida. Como? Clarisse apostou em muitos quadros em tons divertidos, objetos de artesanato popular, tapetes estampados e detalhes pintados, como a porta de entrada da sala.

3. Jardim interno: O grande charme da casinha é a janela voltada para o jardim interno. Como a parede daria para o muro do vizinho e não haveria janelas convencionais na sala, o proprietário da casa teve a ótima ideia de criar um canteiro com cobertura de vidro para iluminar as plantas. Assim, a moradora ganhou um jardim só dela que traz frescor aos espaços.

4. Estantes suspensas: Tanto no quarto quanto no corredor de passagem a moradora instalou estantes suspensas feitas com tábuas de madeira maciça garimpadas e cabos de aço fixados no teto. A invenção foi de Clarisse, mas quem a ajudou a executar a ideia foi o ‘faz-tudo’ da vila. Também é possível recriar essa solução usando madeiras mais leves, mas vale se atentar para não fixar os cabos em um forro de gesso.

Fotos por Isadora Fabian, do Registro de Dia a Dia