Uma casa e todas as memórias que ela guarda não podem ser resumidas de uma vez só, então por aqui fazemos diferente. Ao invés de concentrar todos os detalhes e fotos em uma única matéria, criamos pequenos capítulos para que você possa curtir essa visita durante vários dias. É só acompanhar a ordem pelo título dos posts e apreciar o passeio sem se preocupar com o relógio. 

Seis meses de obra e nada menos que 30 caçambas de entulho. Esse foi o saldo da reforma feita por Debora na cobertura que a arquiteta divide com sua família, mas ela garante que cada dia de quebra-quebra e poeira valeu a pena para transformar o apartamento em um espaço acolhedor e cheio de histórias felizes. Quando ela e o marido visitaram o apê pela primeira vez, os ambientes traziam um estilo que não combinava muito com o casal, porém o que mais chamou sua atenção foi o terraço na cobertura, com um potencial tremendo para se tornar o ponto de encontro dos amigos – a partir daí não restaram dúvidas de que aquele seria um bom lugar para recomeçar.

“A gente queria muito uma área externa. Eu morei em casa a minha vida toda e por isso sempre tive quintal. Quando conhecemos o apê e eu vi o tamanho do terraço, fiquei muito animada”, Debora lembra. Acostumada a projetar grandes intervenções e reformas, ela não se intimidou com a dimensão da obra que estava prestes a encarar. “Reformamos o apartamento inteiro. Trocamos todos os revestimentos, derrubamos as paredes do andar de baixo para o ambiente ficar o mais amplo e integrado possível, e até trocamos a escada, que antes era reta e muito íngreme, um pouco perigosa para as crianças”, ela completa.

Debora brinca que é mais fácil projetar a casa dos clientes do que sua própria casa, já que existem mil e uma possibilidades de acabamentos, cores e afins e ela acabou ficando indecisa. Porém, com a ajuda de sua sócia Nicole, a moradora aos poucos foi lapidando cada espaço, decorando-os conforme suas necessidades de uso. “Quando eu terminei a reforma, ainda não sabia qual caminho iria seguir na decoração”, ela diz. No entanto, hoje os ambientes do apê revelam uma harmonia e uma coerência muito grande nas escolhas: o piso de pastilhas na sala e cozinha, por exemplo, parece ser a base perfeita para o tapete estampado e ainda valoriza as cores suaves eleitas pela arquiteta.

“Tenho a sensação de que mesmo misturando vários elementos, todos eles são um pouco neutros, e a verdade é que nem eu sabia que esse seria o resultado final. Realmente o processo foi caminhando aos poucos para isso”, ela conta. Uma das ideias preferidas da moradora é a estante de marcenaria na parede paralela à escada – é onde o casal expõe sua coleção de livros e objetos de afeto. Esse trecho da sala também guarda o móvel mais querido de Debora: um sofá assinado por Sergio Rodrigues que ela ganhou do marido em seu primeiro aniversário após a mudança para o apê.

“A gente adora receber os amigos em casa, e acho que o nosso apartamento reflete exatamente isso”, Debora fala. De fato, a disposição dos ambientes e a forma como eles se conectam promove os encontros – a cozinha fica integrada, a sala não tem televisão para não atrapalhar as conversas e a área externa no andar de cima é palco para todo tipo de festa, de aniversários de criança até baladinhas. É uma casa pronta para acolher a quem chega. * Gostou da história e quer ver mais? Mostramos o restante do apê no Capítulo 2!, clique abaixo para ler.

Fotos por Alessandro Guimarães

CONTINUA