Para comemorar uma das estações mais aguardadas do ano, começamos 2017 com uma série especial mostrando casas de praia. Leves, descontraídos e com estilos diferentes, esses espaços certamente serão um sopro de inspiração! Bem-vindos às ‘Histórias de Verão’.

Já fazia tempo que Marilia e seu marido, Mairum, alimentavam o sonho de deixar para trás o ritmo acelerado de São Paulo para morar na praia, porém essa mudança de vida só tomou forma no início de 2016, quando eles encontraram a casa perfeita na Praia da Siriuba, em Ilhabela. “A gente queria ter uma vida mais tranquila, perto da natureza e em uma cidade pequena, mas não tão distante da capital. Achamos que Ilhabela seria um lugar legal, pois tem uma comunidade, boas escolas e movimento fora da temporada”.

Marilia e Mairum são designers, cada qual em sua área, e por isso têm a liberdade de viver sem raízes. A casa onde moram com o filho Martim, recém-nascido, é alugada, mas o projeto de arquitetura é tão bem resolvido que o casal não precisou fazer nenhuma alteração estrutural – só mudaram a decoração. “Quando visitamos a casa, sem muita pretensão de alugar algo tão cedo, nos apaixonamos! Foi realmente amor à primeira vista, já que esse foi o único imóvel que vimos”, a moradora lembra. De fato, o espaço surpreende em cada detalhe, da impressionante paisagem ao bom gosto na escolha dos acabamentos, que exploram a vocação rústica do litoral de forma contemporânea.

Ao contrário do que acontece na maioria das casas, aqui os cômodos não se concentram em uma única construção – eles são divididos em diversos bangalôs que se espalham pelo terreno. Um deles abriga a sala com televisão e mesa de jantar, o outro acomoda a cozinha com armários de alvenaria, um terceiro funciona como quarto para o casal e os últimos dois servem de espaço de trabalho: um para Mairum e um para Marilia. Um traço comum a todos é a mistura de peças herdadas de família e móveis que os moradores foram adquirindo ao longo da vida. “Eu tenho um carinho especial pela cristaleira da sala, que era da minha mãe e ela me deu de presente de casamento, e também pelo quadro no meu quarto, pintado por ela”, Marilia diz.

O colorido da casa reflete o espírito alegre e receptivo da moradora, bem como seu trabalho – Marilia cria luminárias, almofadas, banquinhos e outros acessórios cobertos por estampas que misturam tons vibrantes sem medo: turquesa, rosa, laranja e tantos mais. “Deixamos para colocar cor e estampas nas peças de decoração. Os móveis maiores, como sofá, mesa e cadeiras, são neutros para realçar a estrutura de madeira e a vista, que é a grande beleza da casa”.

Sair de São Paulo com poucas garantias, retomar a carreira em um lugar desconhecido, virar a rotina de cabeça para baixo… os riscos não eram poucos, mas hoje o casal tem a certeza de ter feito a escolha certa. “Sempre dá um frio na barriga quando tomamos uma decisão que vai mudar a nossa vida, mas nesse caso acho que os fatores positivos eram indiscutíveis”, Marilia diz. Aliás, o destino também deu seu aval: logo que se mudaram, ela descobriu a gravidez.

Antes do nascimento de Martim o quarto de casal ficava em um dos bangalôs mais distantes da sala, porém Marilia e Mairum logo perceberam que o ideal era inverter a função dos ambientes para evitar as escadas de pedra e deixar a rotina mais prática. Ao invés da televisão e do aparador, o quarto foi adaptado para acomodar o berço e o trocador. Pequeno, o espaço tem apenas o essencial – duas estantes coloridas fazem as vezes de guarda-roupa, a cabeceira foi montada com chapas de madeira e as paredes são branquinhas para trazer uma sensação de amplitude. A janela emoldura parte do jardim na lateral da casa, convidando o verde a entrar.

Fotos por Alessandro Guimarães

CONTINUA