Encontrar uma casa charmosa em uma rua tranquila parece ser uma tarefa complexa quando a cidade escolhida para morar é São Paulo. Mas a Luiza conseguiu – e reconhece que foi um achado daqueles: “Tive sorte. Eu estava procurando online e essa casinha tinha acabado de ser publicada para aluguel. Foi muito rápido”. E realmente o imóvel tem tudo para ser apaixonante. O jardim dá as boas-vindas aos visitantes, que percorrem um corredor onde a luz do sol bate e ilumina, aos poucos, a entrada desse lar. Antes de chegar à sala de estar, outro elemento chama a atenção: a porta branca com desenhos em azul claro, que dá passagem ao quarto da moradora. Foram detalhes como esse que conquistaram Luiza de imediato. “A porta é toda trabalhada no Feng Shui, com o espelho na parte de cima, por exemplo. Saber que a casa foi construída com tanto carinho me atraiu”, ela conta.  

O clima de casinha de praia, com janelas pintadas de azul e paredes brancas, já estava presente quando Luiza se mudou para o espaço. “Fiz poucas alterações. Tirei uma parede da área externa, renovei o piso de tacos e montei toda a cozinha e o banheiro”, diz. Na etapa de decoração, achar o lugar certo para seus móveis e objetos antigos não foi um processo difícil para a moradora. Fã de garimpos, Luiza preencheu a casa com itens encontrados ao longo do tempo ou herdados de família, como é o caso do espelho e do baú decorando a sala de estar: “São da minha avó. Essas peças me acompanham há 12 anos e não abro mão de tê-las comigo!”. 

Luiza também fez questão de encontrar um endereço que fosse perto da sua loja, por isso, escolheu a região de Alto de Pinheiros para morar. Ela é criadora da João de Barro Botinas e da Feira Jabuticaba, e confessa que o trabalho influencia na morada e vice-versa. “A casa é como um ninho. O lugar onde mais gosto de estar. E ter uma casa aconchegante muda seu estado de espírito e te dá mais bem-estar”, ela fala. Por isso, é fácil encontrar a moradora trabalhando no começo do dia na mesa que fica ao lado da cozinha, com vista para o corredor do jardim. Quando o assunto não é trabalho, o quintal vira cenário para os momentos mais tranquilos do cotidiano: “Eu queria um espaço onde pudesse “esquecer” que estou em uma cidade grande, que me remetesse a memórias do mar e do mato”.   

Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage

E quem a vê ali, desfrutando de um instante calmo e silencioso no jardim, logo pensa que Luiza vive nesse local há muitos anos, de tanto que se sente em casa. Mas, na verdade, a mudança aconteceu faz apenas um ano. Desde o início a decoração acompanhou a jornada da moradora nesse lugar completamente novo: “Originalmente eu tinha somente o sofá, o espelho, o baú e as pequenas decorações. Todo o resto foi garimpado. Sou do tipo que quando mudo de endereço, vendo tudo e construo a nova casa com novos objetos”. Para ela, o importante é ter móveis com história dentro de seu lar. “Sinto também que móveis antigos possuem detalhes únicos que atualmente não encontramos com tanta facilidade”, observa.

Seja qual for o item garimpado, a sensação que a decoração traz para a casa é a de puro aconchego. E para Luiza, essa é a base para construir um lugar para chamar de “lar”. Há também alguns detalhes que ajudam nisso, como as plantas espalhadas principalmente na área externa e a companhia de seu gatinho. Inclusive, é sob a sombra da árvore do terreno que ela se permite viver sem qualquer compromisso ou cobrança: “Gosto de me dar a possibilidade de não fazer nada nas horas de descanso. De ver o dia passar, sentar na rede e ficar, ler um livro ou simplesmente só estar ali, sem planejar!”. E quando a vontade é de se sentir acolhida, o quarto se mostra o lugar ideal para trazer paz à moradora. “Gosto do aconchego que o quarto me proporciona, da janela aberta para a rua, da luz entrando…”, descreve.

Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa antiga com móveis vintage
Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa antiga com móveis vintage
Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa charmosa com clima de praia e decoração com objetos garimpados e vintage
Casa antiga com móveis vintage

O lar de Luiza vibra conforme o balançar das árvores que enfeitam a fachada: de um jeito tranquilo, mas que chama a atenção dos olhares mais curiosos. O tom de azul claro na área externa, o pé-direito baixo e a decoração com toques de cor bem escolhidos transformam essa casa em um espaço deslocado da agitação da cidade, mas que não se fecha em si mesmo. O universo de Luiza é algo que ela gosta de compartilhar com a vizinhança. Inclusive, quando pensava em se mudar para o endereço atual, ela fez questão de sentir como seria a relação com os vizinhos. “Sou mineira, do tipo que senta na rua e toma café com o vizinho. Quando vim conhecer a casa, também conheci alguns moradores ao redor e senti que poderia ter essa troca aqui”, lembra. Dessa maneira, entre um vislumbre de uma vida no interior e um cotidiano urbano, Luiza vive plenamente o melhor do seu próprio lar.

Texto por Natália Pinheiro | Fotos por Felco