O lugar do primeiro encontro do artista visual Bruno com o publicitário Gabriel explica bastante sobre seus gostos e as referências que levaram para o apartamento onde vivem juntos, rodeados por muitas obras de arte. O ano era 2016 e, após se conhecerem virtualmente por um aplicativo de paquera, eles escolheram a calçada do MASP como ponto para se verem pessoalmente: o encontro deu tão certo que se transformou em namoro e, mais tarde, até em casamento.

A vontade de estar perto fez com que Bruno vendesse seu sobrado na cidade de São Caetano do Sul e se juntasse a Gabriel em um apê alugado na Vila Mariana, em São Paulo. Mas, após se casarem, em 2018, não demorou para que o casal decidisse buscar um espaço próprio para chamar de lar foi quando encontraram seu apartamento atual, em Perdizes. “O que nos conquistou foi a iluminação, a ventilação, o cuidado com o prédio e a possibilidade de ampliar a sala com a reforma, além do chão de taco, que é uma gracinha”, contam os moradores.

Apesar de conservado, o imóvel estava bem obsoleto, então toda a parte elétrica foi refeita e um quarto saiu de cena para aumentar o tamanho da sala. Na cozinha, mesmo sendo um espaço pequeno, eles queriam conforto para preparar receitas, então instalaram uma marcenaria feita a partir do reaproveitamento dos batentes das portas retiradas na obra e de um armário inutilizado no processo. Para o chão e a bancada, os moradores apostaram no cimento queimado que combina com as madeiras cruas e destaca a geladeira antiga, uma entre as tantas memórias de família espalhadas pelo apê. 

A escrivaninha era do avô de Bruno e fica junto com a luminária verde da mãe de Gabriel. Já a máquina de costura que virou bar pertenceu à avó do artista visual, e as poltronas e cadeiras também fazem parte dos presentes de parentes. “Nos inspiramos em lembranças e memórias afetivas de coisas que têm história e significado pra gente”, dizem os moradores, que idealizaram um clima acolhedor, onde pudessem misturar objetos de família e pessoais de cada um e ainda assim construir um lar em conjunto.


Todas as paredes e estantes do apartamento são tomadas por quadros e obras de arte. Isso acontece pois ambos trabalham e se relacionam com o campo das artes visuais, então reúnem um belo acervo. Algumas obras são fruto de trocas que Bruno faz com amigos do meio artístico, outras são compras ou presentes. “Gostamos das histórias que existem por trás e dos artistas que as fazem. Para compor as paredes, pensamos em alguns agrupamentos por tema, técnica ou alguma relação formal. E sempre que temos algo novo para pendurar é toda uma questão de repensar os lugares”, o casal confessa, com humor.

Como ambos adoram receber, o apê está sempre com visitas, e no tempo livre, o casal curte assistir a séries e filmes, além de cozinhar enquanto divide uma garrafa de vinho. “Nosso apartamento é uma forma de contar uma história. Pelas lembranças de família, trocas com amigos e garimpos em viagens”, eles dizem. Dessa forma, Gabriel sente as pessoas próximas a ele, seja pelo prazer em receber ou no afeto por trás dos itens na decoração, enquanto Bruno viaja no tempo pelas memórias familiares e se inspira com todas as obras pelas paredes.

Texto por Yasmin Toledo | Fotos por Leila Viegas