A gente escreveu essa matéria com a SUVINIL, nossa maior referência quando o assunto é cor na decoração. Juntos, acreditamos que cada história tem uma cor e cada cor tem uma história, e é essa combinação que transforma um ambiente em um verdadeiro lar. Por isso, nos próximos meses nós iremos compartilhar aqui no blog, casas que inspiram pelas suas cores. Fica aqui com a gente para acompanhar essa história de perto.

A casa da designer Dai e do ilustrador Jonas é um lugar que recebe a todos de portas abertas. Colorido, convidativo e sem frescuras, esse lar se tornou tão importante para o casal que deu início até a novos planos profissionais e virou um ponto de encontro para pessoas interessadas em cultura, botânica, decoração e afins. “Hoje ela é um laboratório para o que sempre quisemos fazer e estamos já colocando em prática. Além de morada, a casa é usada para receber artistas independentes, lançamentos de livros, pequenos shows…”, Dai explica. Aliás, essa experiência deu tão certo que em breve os moradores irão inaugurar a Casa Fuerte, uma extensão de tudo isso em um segundo endereço.

Durante esses encontros artísticos, o espaço mais usado é o quintal, por isso desde a mudança o casal se dedicou a deixá-lo mais agradável e interessante. “Tudo começou com a parede de fundo, foi o ponto de partida. Na época, estávamos apaixonados pela cor Terra Roxa, da Suvinil, e a partir dela começamos a planejar como ficaria o jardim. Hoje essa parede é o marco zero da casa e tudo fica incrível por lá”, contam.

Depois os moradores precisaram solucionar a questão do teto de forma rápida e barata, então daí veio a ideia de preencher o local com plantas suspensas e montar uma espécie de forro com tecidos, escondendo as telhas originais. Para completar o astral positivo da área externa, Dai e Jonas convidaram o amigo André Nódoa para criar uma arte toda colorida no muro lateral, deixando esse trajeto até os fundos ainda mais inspirador.

Na edícula conectada com o quintal ficam os dois ateliês do casal: o de Jonas acomoda suas telas e itens de pintura, enquanto o de Dai ajuda a organizar seus materiais de marcenaria. “Para mim é importante o espaço estar visualmente organizado, não consigo trabalhar de outra forma. E estar em um ambiente vivo e ventilado fez toda a diferença no processo”, ela fala. Em uma das paredes pintadas com o tom Seiva de Cajueiro, da Suvinil, a moradora instalou a estante vinda de seu antigo endereço e isso ajudou ainda mais na arrumação diária. No andar de cima o casal tem ainda o estúdio musical, onde Jonas consegue receber amigos e clientes.

As cores aparecem de forma impactante também no quarto do casal, pintado com o tom Algodão Colorido, da Suvinil, na parede de cabeceira e no teto. Segundo os moradores, já fazia um tempo que eles queriam explorar a cor rosa de alguma forma, e nesse ambiente precisavam de uma tonalidade mais tranquila, então logo veio a ideia de apostar nessa nuance. “Temos pesquisado muita coisa sobre Luis Barragán ultimamente, e acabou influenciando. Agora sentimos que o espaço ficou mais amplo e aconchegante. Pintar o teto também fez muita diferença, quando a luz entra no quarto de manhã bem cedo fica uma cor incrível”, contam.


Da porta de entrada ao quarto do casal, cada pedacinho dessa casa tem uma cor e um clima. Cores que lembram as plantas e a terra, e que trazem à tona uma forte latinidade – aliás, essa é outra das paixões dos moradores e dos artistas que frequentam o espaço. Assim, com muita alma e sem muita regra, Dai, Jonas, Tião e Gessé aos poucos transformam a casinha em um lugar ainda mais especial!

Fotos por Alessandro Guimarães