É fácil se apaixonar pelos espaços amplos e luminosos no apartamento da arquiteta Ursula e do educador Vinícius – difícil é acreditar que o lugar um dia já foi escuro, mal distribuído e nem um pouco acolhedor. A moradora brinca que era preciso ter uma visão de raio-X para conseguir enxergar o potencial do imóvel além dos acabamentos destruídos, da sala apertada, do carpete sujo e dos cômodos compartimentados. No entanto, ao invés de desanimar diante do cenário nada inspirador, Ursula decidiu abraçar a empreitada e transformar de uma vez por todas o antigo apê.

“Embora o apartamento estivesse em péssimas condições, ele tinha o que eu precisava para transformá-lo: era bem servido de janelas e o sol entrava por elas, então só era preciso planejar melhor para que tudo ficasse mais iluminado e ventilado. A fluidez dos espaços não é só importante para a estética, mas também para a saúde. Sentir-se bem na sua própria casa engloba tudo isso”, ela explica. O resultado é que em apenas 4 meses de obra os 85m² do apê parecem ter dobrado de tamanho.

Na família de Ursula a cozinha sempre foi o coração da casa, por isso ela cresceu com a sensação de que tudo gira em torno desse lugar. “Para nós, a cozinha é uma tradição. De um lado da família a comida é o que nos une, pois é algo que compartilhamos e fazemos juntos. Do outro, a comida é o trabalho, porque alguns familiares são donos de restaurantes, bufês ou escrevem sobre o tema. Então não teve como escapar dessa história”, ela diz. Logo, não fazia sentido confinar esse espaço entre quatro paredes. Totalmente integrado, o apartamento une cozinha, lavanderia, sala, área de jantar, escritório e quarto em um único ambiente – tendo apenas cortinas discretas como divisórias (e na verdade elas estão quase sempre abertas).

“Aqui tudo flui com naturalidade: o prato vai da panela para a mesa, os amigos conversam ao lado do fogão, a parte chata de lavar a louça se torna alegre e compartilhada… por todos esses motivos, a cozinha e a sala de jantar são pontos importantíssimos da casa, é onde ela pulsa. Por isso precisam de destaque, beleza e funcionalidade”, a arquiteta define. Ursula conquistou todos esses atributos ao posicionar a mesa de jantar no centro da planta e ao usar acabamentos criativos para delimitar as funções dentro do espaço sem barreiras.

* Veja após as fotos dicas de como combinar materiais diferentes…

Dicas de como combinar diferentes materiais

* Para delimitar funções: Quem disse que a única maneira de separar ambientes é usando paredes ou divisórias? Ursula demarcou as diversas funções de seu apê integrado usando o piso como ponto de partida – os diferentes revestimentos definem as características de cada espaço. “Deve-se tomar cuidado para que não fique carregado. No meu caso, optei pelo piso de madeira nos ambientes de descanso e permanência (quarto, sala e escritório); pelo ladrilho hidráulico estampado na entrada e na sala de jantar; e pela pastilha preta nas áreas molhadas (cozinha e banheiros)”, ela conta.

* Assumindo detalhes originais: Outro acabamento que entra na lista dos materiais usados pela arquiteta é o concreto, exposto nas vigas descascadas após a obra. “Minha opção foi deixar a estrutura aparente e assumir essa estética. Temos que assumir as verdades do espaço, da história e dos materiais. Dessa maneira o resultado será sempre original”.

* Cores que se complementam: A maioria dos acabamentos tem tons neutros, (como a madeira, o concreto e as pastilhas) o que faz com que o ladrilho hidráulico colorido chame ainda mais atenção. Para ‘amarrar’ todos os materiais e cores, Ursula pintou um trecho da cozinha com uma tinta avermelhada muito semelhante ao tom usado no piso – dessa forma o conjunto fica ainda mais harmônico.

Fotos por Gisele Rampazzo