Histórias em dobro | Capítulo 1

O encontro de duas vidas e muitos objetos de afeto no mesmo endereço

Uma casa e todas as memórias que ela guarda não podem ser resumidas de uma vez só, então por aqui fazemos diferente. Ao invés de concentrar todos os detalhes e fotos em uma única matéria, criamos pequenos capítulos para que você possa curtir essa visita durante vários dias. É só acompanhar a ordem pelo título dos posts e apreciar o passeio sem se preocupar com o relógio. 

É difícil escolher para onde olhar primeiro ao entrar no apartamento do designer Diogo e do cabeleireiro Raphael. Muitos detalhes chamam a atenção ao mesmo tempo: as plantas escalando as paredes, as cores alegres, a coleção de discos de vinil, os objetos pendurados… logo se vê que a casa é um verdadeiro emaranhado dos afetos e histórias de cada um, e a vontade que dá é a de espiar tudo mais de perto. Conforme os olhos vão percorrendo cada centímetro do apê, as principais referências do casal se revelam, como a origem de Diogo, por exemplo, nascido e crescido em Pernambuco. 

“Tento sempre trazer elementos que me lembrem de lá. Sou apaixonado pela cultura, pela música, pelo carnaval, pelas igrejas de Olinda, e acho que isso reflete na decoração, como uma forma de misturar o sagrado e o profano, tudo junto na parede, sem lugar específico para cada coisa. Tudo misturado mesmo”, ele explica. O estilo do Rapha também é parecido, então foi fácil para o casal juntar as inspirações de ambos em um só lar. “Já tínhamos muita coisa quando morávamos separados e com essa união foi natural agregar as coleções. Levamos pouco tempo e a casa sempre está em crescimento. Gostamos de mudar os quadros de posição ou quando vemos um espaço sobrando dá aquela vontade de preencher”, contam.

Há pouco mais de 1 ano, o Diogo morava em uma kitnet de apenas 45m² com o mascote Ilê, então dá para dizer que sua vida meio que duplicou: agora ele vive com o dobro da metragem, o dobro de cachorros e o dobro de pessoas. Para o designer, que desde então trabalhava em casa tocando sua marca de objetos Emoriô Estudio, a falta de espaço foi um dos motivos que o levou a trocar de endereço. Na mesma época, o Rapha estava dividindo um apartamento com amigos, porém também tinha a vontade de trabalhar em casa e ter um canto que fosse seu – ou melhor, dos dois – e foi assim que eles decidiram morar juntos.

O bairro escolhido foi a Vila Buarque, uma região que ambos adoram por estar perto de tudo o que precisam e ainda ser um lugar tranquilo para passear com os cachorros. Apesar de ser um apê alugado, isso não inibiu nem um pouco os moradores: eles pintaram quase todos os cômodos, penduram quadros à vontade e ainda instalaram uma grande estante na sala para acomodar melhor todos os livros e objetos. “O apartamento já estava em boas condições, mas nós gostamos dele principalmente pela iluminação. Bate sol o dia inteiro, e tem uma vista bonita”, o casal diz.

A sala, um dos lugares onde os moradores mais gostam de ficar e de receber os amigos, foi decorada de forma bem espontânea, sem muito planejamento. A estante e as prateleiras ajudaram a definir a disposição das coisas, mas a partir daí os moradores foram encaixando os móveis e peças que já tinham. “Fomos sentindo onde cada objeto queria ficar”, eles falam.

Entre os itens preferidos do Rapha está o balangandã comprado em sua primeira viagem à Salvador: “Foi apaixonante. Ele tem um significado histórico ancestral. Além dele, gosto muito dos bordados presentes pela casa que eu mesmo fiz”. O Diogo também tem um item especial, as máscaras da La Ursa que estão no topo da estante e representam bem a cultura de Pernambuco. “Foi um presente do meu pai, que deu uma para mim e uma pro Rapha, antes mesmo de morarmos juntos”, ele lembra.

O Rapha e o Diogo acreditam que um lar deve passar uma sensação de conforto e acolhimento. Um lugar onde eles podem descansar, trabalhar, receber os amigos e curtir com os cachorros. Em uma cidade cheia de prédios como São Paulo, ter plantas no apartamento é uma maneira de conquistar esse aconchego e de estar mais perto da natureza, por isso o casal não abre mão de espalhar vasos por todo lado. Outra forma de se conectar com a casa é transformar a decoração em um meio de contar histórias e agregar memórias. E isso os dois fazem bem: “Gostamos de muitos objetos. Somos meio colecionadores, e nada minimalistas”, eles brincam. * Quer continuar o passeio por esse apê inspirador? Então fique de olho no Capítulo 2! 

Fotos por Luiza Florenzano

CONTINUA

ONDE ENCONTRAR

PEÇAS INSPIRADAS NESSA HISTÓRIA

Deixe uma resposta para Tatiana Martins Cancelar resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


COMENTÁRIOS # 7

  1. olá!
    vocês sabem qual a referência dessa parede rosinha?

    Responder
  2. AP super auto astral! Adorei o quadro do caboclo de lança! Pernambuco no coração! 🙂

    Responder
  3. Nessa casa tem muito amor ❤️

    Responder
  4. Seria legal se vocês também indicassem, quando possível, de onde são alguns móveis. Exemplo: esse sofá… preciso de um igual a esse cinza! rsrs.

    Responder
    • Oi Isabelle, tudo bem? Normalmente colocamos alguns produtos similares como sugestão. Mas descobrimos que o sofá cinza é da Etna. Bjs

      Responder