Na medida ideal para os planos de Bruno e Marina, esse sobrado de 85m² em Pinheiros tem exatamente o que eles procuravam: ambientes confortáveis, elementos arquitetônicos originais e espaço extra para que o morador pudesse montar seu ateliê. Ele é designer, arquiteto e criador da marca Decarvalho Atelier, ela é arquiteta e seu escritório fica na mesma rua da casa – ou seja, em poucos passos Marina chega ao trabalho. Mais do que um lugar para chamar de seu, o casal encontrou algo que todo mundo busca: qualidade de vida. * Confira AQUI o Capítulo 1 dessa história.

“Adoramos abrir a porta e sentir que estamos em uma casa, regar as plantas, tomar um solzinho de manhã, mesmo que por apenas 5 minutos antes de começar a trabalhar”, eles falam. Bruno e Marina pensaram muito antes de fazer alterações nos ambientes, afinal quando se vive em um imóvel alugado é preciso analisar até quando e onde se deve investir, mas mesmo assim eles não abriram mão da reforminha em nome do bem-estar. “Nós, como arquitetos, sabemos o quanto morar bem faz diferença na vida cotidiana”.

Com o intuito de modernizar um pouco os acabamentos, mas sem descaracterizar a atmosfera de casinha de vila, o casal reformou a cozinha substituindo os azulejos velhos por novos modelos que seguem o formato dos antigos – o mesmo foi feito nos banheiros. O piso também foi repaginado, dessa vez com tinta epóxi branca. “Refizemos a marcenaria e abrimos mão de ter um fogão convencional. Optamos por um cooktop de uma boca só que usamos para cozinhar e às vezes até levamos para o quintal da frente.  Quando necessário compraremos uma segunda ou terceira boca, porém ainda não sentimos falta”, Bruno explica.

O espaço conta também com a mesa de jantar, resgatada em um depósito da família do designer e restaurada com tinta preta na base; e as cadeiras, garimpadas em um mercado de pulgas. Pendurado atrás da porta amarela, o macramê foi feito pela mãe do morador e evoca um ar artesanal que combina muito com o clima despretensioso da casa.

O quarto do casal tem uma decoração mais simples e traz poucos móveis, mas quase todos eles têm uma história bacana por trás. O baú que serve como criado-mudo, por exemplo, era usado para transportar rolos de filmes e foi comprado de um carroceiro. Já o móvel de apoio do outro lado foi feito com sobras de um experimento do designer e os pallets que formam a base da cama vieram de um galpão atrás do Ceagesp. Outra peça queridinha é o Mancebo Santiago, uma das primeiras criações de Bruno.

Até o banheiro mudou de cara com a chegada do casal. Além de trocar os azulejos, os moradores substituíram a cuba antiga por uma versão com gabinete garimpada em uma obra que estava sendo demolida. O espelho com moldura de madeira pertenceu à bisavó de Marina e estava esquecido na casa de sua mãe até ela resgatá-lo. Para completar, as paredes foram pintadas, a banheira deu lugar a um deck de madeira e o piso original, que havia sido pintado de preto por antigos inquilinos, foi restaurado.

“Uma casa com personalidade e vida é um lugar onde você percebe a vivência dos moradores. Acreditamos muito que quando imprimimos nossos gostos pessoais em um imóvel, ele consequentemente fica mais convidativo e aconchegante. Nossa casa é sem frescura, informal, leve, sincera, sem ‘esconderijos’. Tudo o que está à mostra é o que é, sem artifícios”.

Fotos por Luiza Florenzano