Com muitas inspirações legais garimpadas por aí, a roteirista Patricia e o diretor de arte Thiago transformaram uma casa de pouca personalidade em um lar bem diferente, com um estilo que é só deles. União é palavra de ordem na rotina da família – e os espaços integrados estimulam ainda mais esse convívio. “Essa casa influencia muito o jeito que a gente vive. Eu trabalho home office, então passo grande parte do meu tempo aqui. Nosso filho brinca na rua, entra na casa dos vizinhos… Nos fins de semana trazemos todo mundo para cá e conversamos o dia todo”, a moradora conta.

* Veja aqui o Capítulo 1 e não perca nenhum detalhe da história.

Dividida em 3 andares, a construção de 200 m² inclui uma pequena sala com varanda e escritório na cobertura. Na medida ideal para o casal e seu filho, o ambiente funciona como uma saleta de TV acolhedora, mas é também onde Patricia trabalha. “É um lugar naturalmente charmoso porque tem o telhado mais baixo, tipo um sótão”. Quando eles se mudaram para o endereço o home office já estava pronto, então os moradores não precisaram mexer em quase nada nesse último andar – a única alteração foi o deck instalado na área externa para disfarçar o piso frio que havia ali antes.

Se dependesse apenas de Patricia, o quarto do casal seria bem colorido ou de repente teria um papel de parede estampado, porém Thiago preferiu que o espaço fosse um pouco mais sóbrio e calmo. Pintada de cinza, a parede serve como pano de fundo para emoldurar a cama e alguns dos quadros favoritos do casal, como a fotografia de Patricia na praia tirada pelo morador durante uma viagem a Recife. Além de resgatar memórias, a foto traz um pouco de poesia e faz os dois viajarem sem sair do lugar: “Parece que é uma janela a mais”, ela diz.

Já que em seu quarto a moradora não pôde satisfazer a vontade de usar um revestimento mais colorido, ela aproveitou o quartinho do filho Inácio para ousar nas combinações. “Eu demorei muito tempo para achar uma decoração infantil que eu gostasse. Estava quase com 9 meses quando encontrei esse papel de parede e foi amor à primeira vista”. A roteirista sabe que quartos de criança mudam constantemente, pois logo elas crescem e vão se interessando por coisas diferentes, mas ela procurou deixar tudo ao alcance do filho – daí a cama baixinha, a tinta de lousa sob a janela e os livros na altura das mãos.

O que faz uma casa ser única como essa? Para Patricia, o segredo é não ter medo de misturar. Coisas velhas, coisas novas, itens herdados da avó, uma mesa de design bacana… peças que a princípio não combinem tanto. “O grande erro, na minha visão, é entrar em uma loja de móveis e querer comprar tudo de uma vez para ‘resolver’. Casa não se resolve, é algo artesanal, que você vai fazendo com o tempo. O mesmo móvel ou objeto vai mudando de significado à medida que você vai acrescentando outras coisas no espaço. Casa de verdade é assim”.

Fotos por Luiza Florenzano